A Casa do Impacto, da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, acolheu mais uma vez a iniciativa “Quintas-feiras com impacto” dedicado ao tema “O impacto humano no trabalho no futuro” nas suas diversas perspetivas, vertentes e impactos: as pessoas, os espaços, a educação e formação, as organizações, os impactos da tecnologia, as profissões ou as cidades.

O encontro que está inserido na programação da 8ª Semana do Empreendedorismo de Lisboa, promovida pela Câmara Municipal de Lisboa e Made of Lisboa, visa debater temas dedicados aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODSs) da Organização das Nações Unidas. O mês de maio é dedicado aos ODSs 8 (Trabalho digno e Crescimento económico) e 9 (Indústria, Inovação e Infraestruturas).

O que podemos fazer para continuarmos com os nossos trabalhos, no futuro? Esta foi a questão que deu o mote ao encontro que teve como oradoras convidadas Inês Santos Silva, Managing Partner na Aliados – The Challenges Consulting e Juliana Lubianca, Strategist na With Company, num painel moderado por Nuno Comando, da Casa do Impacto.

Ambas as oradoras defenderam a tese de que num futuro próximo o que conhecemos como trabalho irá desaparecer à medida que a tecnologia vai evoluindo. Milhões de postos de trabalho serão substituídos por máquinas inteligentes nos próximos anos. Por outro lado acredita-se que mais de metade das crianças de hoje irão ter empregos que ainda não existem. É a máquina a tomar conta do futuro.

“Estudos apontam para que as empresas, se querem continuar competitivas, terão certamente que substituir mão-de-obra humana por máquinas, só assim vão conseguir sobreviver no panorama mundial empresarial”, afirmou Inês Santos Silva. No entanto, para a oradora existe algo de bom nesta visão, “as pessoas trabalhando menos irão concentrar-se mais nas suas atividades do quotidiano e de lazer, o desafio está em orientar as nossas capacidades cognitivas para algo mais além que o trabalho como o conhecemos hoje em dia”.

Para Juliana Lublianca, a tecnologia “é e sempre será um mal necessário”, lembrando que a tecnologia sempre apoiou a evolução humana, desde a idade da pedra passando pelas revoluções industriais.

A crescente automatização de tarefas está a criar um mundo laboral completamente novo e, apesar da mudança ser uma constante ao longo da história, nunca se tinha assistido a uma transformação tão vertiginosa do trabalho.

As tarefas que envolvem repetição são aquelas que mais depressa serão substituídas por autómatos, mas há trabalhos mais especializados que também poderão mudar de forma radical quando máquinas assumirem total ou parcialmente a sua realização.

“Existem dois lados na evolução tecnológica, de um lado é certo que se perdem empregos, por outro, devemos à tecnologia e à sua evolução a descoberta de novos tratamentos na área da medicina, ou por exemplo a diminuição da sinistralidade rodoviária devido à inserção de tecnologia nos carros de hoje em dia”, concluiu Juliana.